Uma aposta?

Não é de bom alvitre traçar paralelas entre a web rádio e a rádio emissora. Ambos são veículos, mas bem diferentes entre si. Ambos trazem vantagens aos seus respectivos anunciantes. É preciso, contudo, saber quais vantagens relacionam-se com cada uma das modalidades. A mídia divulgada na rádio emissora, por exemplo, precisa ser de longa duração (algo em torno de seis meses) para resultado aceitável. Então, na maioria dos casos, acaba por perder-se, digamos, no ar. É a audiência rotativa do rádio. Quer dizer que o ouvinte não fica o tempo todo ouvindo a mesma rádio. A mídia veiculada atinge o ouvinte - via de regra - de modo pulverizado, só nos momentos em que o mesmo a ouve, sem nenhum apelo visual obviamente. Pela rotação que o ouvinte faz, na verdade não é tão fácil como pode parecer atingir o objetivo da veiculação. De qualquer modo, dependendo da qualidade da mídia, o ouvinte é sim sensibilizado à comprar, por exemplo. Na web rádio, considerando a praxe, o anúncio pode ser fixado no site (apelo visual), além de ser divulgado na programação normal. Há uma diferença a ser levado em consideração: o público ouvinte é diferente. O ouvinte da web radio tende a ser menos da audiência rotativa e mais da fidelidade. Seja porque aquela programação se assemelha mais ao seu perfil que pela ampla possibilidade da escuta fiel, através das mídias alternativas do telefone celular, micro computadores, tabletes e da escuta ambiente. É claro que as rádios emissoras também se prestam as escutas alternativas, mas pouco - por exemplo - na escuta ambiente. Além do que, naturalmente, há mais procura/facilidade dos ouvintes para encontrar sua compatibilidade auditiva na web e o espectro ser muitíssimo maior quando trata-se deste veículo. A web rádio é mais focada na sua programação e tem maior facilidade de segmentar. Enfim, cada macaco no seu galho e vote-se na qualidade final de programação e som para critério de desempate.